de tanto bater o meu coração parou

loop semanal

O Diabo vivia nos aposentos da minha irmã Valéria - em cima, exactamente onde terminava a escada -, um aposento vermelho, de cetim de seda de damasco com uma eterna e oblíqua coluna de sol, onde de modo incessante e quase imperceptível girava o pó.

(...)

O Diabo estava sentado sobre a cama de Valéria, nu, com uma pele cinzenta, como um dogue, com uns olhos alvacento-azulados como os de um dogue ou um barão do Báltico, com os braços estendidos ao longo dos joelhos como uma mulher de Riazan numa fotografia ou um faraó no Louvre, na mesma postura de inevitável paciência e indiferença. O Diabo estava sentado tão aprazivelmente como se o estivessem a fotografar. Não possuía pelagem, tinha o contrário da pelagem: um absoluto polimento e suavidade, como a superfície do aço. Agora dou-me conta de que o corpo do meu Diabo era idealmente atlético: como o de uma leoa, e pela textura como o de um dogue. Quando vinte anos mais tarde, durante a Revolução, deixaram um dogue ao meu cuidado, imediatamente reconheci o meu Myshaty.

(...)

Ao caminhar fazia ruído com as unhas contra o chão. Contudo, nunca caminhou na minha presença. Mas o seu principal sinal distintivo não eram as garras, nem a cauda: não os seus atributos, mas os olhos: incolores, indiferentes, inexoráveis. Antes que se tivesse passado qualquer coisa, reconhecia-o pelos olhos, e a esses olhos tê-los-ia reconhecido mesmo que nada se tivesse passado. - Não havia acção. Ele permanecia sentado, eu de pé. E eu amava-o.


Marina Tsvetaeva, O Diabo
Devido ao Verde e ao facto de «baralhar as cartas», e em parte também à serva da mamã, Masha Krasnova, a quem tudo caía das mãos: as bandejas, a baixela, as jarras, e até peixes inteiros banhados em salsa!, que era incapaz de suster o que quer que fosse nas suas mãos excepto o baralho, eu, com sete anos de idade, comecei a gostar das cartas até à paixão. 

Não do jogo - das próprias cartas: a todas essas figuras sem pernas e com duas cabeças, sem pernas e com apenas um braço, mas com a cabeça ao contrário, e com o braço ao contrário, ao contrário de si próprias, voltadas contra si mesmas e desconhecidas para si mesmas, dessa altas personalidades sem lugar de residência, mas com todo um séquito de três e quatro de um mesmo naipe. 

Porquê usá-las para jogar ou, como Asia, jogar com elas, quando elas próprias jogavam, elas próprias eram o jogo: delas consigo próprias, e delas em si próprias. Era toda uma tribo viva, não humana, uma tribo de torsos, terrivelmente autoritária e não muito afável, sem filhos e sem avós, que não vivia em nenhum outro lado que não fosse a mesa ou atrás do escudo da palma de uma mão, mas em troca, então, com quanta força vivia! Que numa dúzia há doze ovos, isso ensinaram-me os anos, mas que em cada naipe haja treze cartas e que treze seja a dúzia do Diabo, disso não me fariam duvidar nem mesmo mergulhada no sono mais profundo.

(...)

(das damas, em geral, não gostava, todas tinham uns olhos frios e cruéis, com os quais me julgavam. como as damas que eu conhecia julgavam a minha mãe), mais que a todos os reis e a todos os valetes eu amava o ás de espadas!

(...)

Para dizer tudo: o jogo do Schwarze Peter era o mesmo que ter um encontro com alguém a quem amamos secreta e apaixonadamente, no meio de muita gente: quanto mais frio - mais ardente, quanto mais distante - mais próximo, quanto mais alheio - mais mais meu, quanto mais insuportável - mais delicioso.

(...)

Um jogo que não queria tomar, mas dar. Neste jogo, pela sua incorporidade e o seu horror, havia na realidade algo de infernal, de averno. Mãos que fugiam do inimigo. Assim, no Inferno, rindo e tremendo, uns e outros passam entre si um carvão incandescente.

O sentido deste jogo é profundo. Todas as cartas estão aos pares, só ele está só, solitário, pois o seu par foi eliminado antes do jogo começar. Cada uma das cartas deve encontrar o seu par e ir-se com ele, abandonar simplesmente a cena, como uma mulher formosa ou uma aventureira quando se casa abandona a mesa de todas as possíveis variantes, de todas as possibilidades, dos destinos individuais e, talvez, históricos para entrar nessa silenciosa, desnecessária e inofensiva pilha dos pares de cartas jogadas que já a ninguém interessam. Oferecendo-lhes toda a mesa, confrontando-o com a sua unicidade. 


 Marina Tsvetaeva, O Diabo
«Uma menina ocultou um pecado durante a confissão» e etc., estavam diante dos meus olhos e dos meus ouvidos. No fundo eu, é claro, não acreditava numa morte assim porque as pessoas morrem por causa dos diabetes, da apendicite, e também, uma vez, em Tarusa, um camponês morreu por causa dum raio, e por causa do trigo sarraceno - grão! ainda que seja um que em vez de ir para um lado da garganta foi pelo outro, e por pisar uma víbora... por isso sim morrem, e não...

(...)

Senti solidão com o meu segredo. A mesma solidão com o mesmo segredo de sempre. A mesma solidão que durante as longas e intermináveis missas no gelado templo de Cristo Salvador, quando eu depois de ter lançado a cabeça para trás para olhar na cúpula o terrível Deus, clara e duplamente me sentia e via-me a mim própria separada do solo brilhante, voando, remando como nadam os cães - por cima das cabeças dos devotos e inclusive com as pernas, com as mãos roçando-os e mais longe, e mais alto-agora a direito! - como nadam os peixes!, e agora com uma cauda de flores rosadas, de bailarina revolteio sob a própria cúpula.


Marina Tsvetaeva, O Diabo
Da estação íamos num break, um objecto sem futuro nem passado: na sucessão dos acontecimentos, diante dos pinheiros negros que, com os seus ramos húmidos, suavemente pungentes, nos roçavam a cara como um hissope. Um edifício com as paredes inclinadas, oferecido como que na palma da mão pela planície lamacenta. Para a casa entra-se, através de um jardim com relva, por aquilo que tinha sido um jardim com relva e já não o era. Dentro - silêncio. Antiguidade. Sinto que os aposentos aqui vivem sós, continuam, sem reparar que metade da família já não está. Sem reparar sequer na metade que ficou.

(...)

Jamais saberemos até que ponto os aposentos das velhas casas diante dos quais passamos sem reparar neles, não reparam em nós, como ondas de um velho mar que nos evitam no seu movimento para a frente. As ondas do mar e da estirpe, que só em poucas ocasiões, por um capricho imprevisível, cem anos após devolvem o nosso anel à margem do rio ou o nosso rosto a um bisneto.


Marina Tsvetaeva, O Diabo
O terceiro e, provavelmente, o mais longo é aquele por baixo do qual se está sentado: o piano visto a partir de baixo, todo um mundo subaquático e subpianístico. Subaquático não apenas devido à música que fluía sobre a cabeça: por trás do nosso piano, entre ele e as janelas, tapadas pela sua massa negra, havia flores, palmeiras e filodendros que ele afastava e reflectia como um lago negro e que transformava o embutido que estava sob o piano num autêntico fundo aquático, com luz verde sobre os dedos e os rostos, e verdadeiras raízes que se podiam tocar com as mãos, e onde como enormes monstros se moviam silenciosamente os pés de minha mãe e os pedais.

Uma pergunta sensata: por que é que as flores estavam por detrás do piano? Para que fosse mais incómodo regá-las? (Com o carácter de minha mãe seria bem possível!) Mas desta combinação: água do piano e água de regar, mãos da minha mãe que tocavam e mãos que regavam, que vertiam alternada mente água ou música, o piano para mim ficou para sempre identificado com a água, com a água e a vegetação: com o ruí do das folhas e da água.

Isto, no que diz respeito às mãos de minha mãe, agora — os pés. Os pés da minha mãe eram seres que viviam independentes, fora de qualquer ligação com o extremo da sua larga saia negra.

(...)

Pobre mamã, como sofria por minha culpa e como nunca chegou a dar-se conta de que toda a minha «não musicalidade» era apenas uma música diferente!

O quarto piano é aquele em cima do qual estás: olha-lo e, olhando-o, entras nele, o mesmo que, com o decurso dos anos, ao contrário da entrada num rio e de toda a lei da profundidade, primeiro é mais alto que tu, depois chega-te à garganta (e é como se te cortasse a cabeça com o seu fio negro mais frio que uma faca!) depois ao peito, e depois, finalmente, a cintura. Olha-lo e, olhando-o, olhas-te a ti próprio fazendo coincidir, pouco a pouco, primeiro a ponta do nariz, depois a boca, depois a testa com a sua negra e dura frieza. (Por que será tão profundo e tão duro? Tão água e tão gelo? Tão sim e tão não?)

Mas, além da tentativa de penetrar no piano com o rosto, havia também uma simples travessura infantil: embaciá-lo, como ao vidro da janela, dar-se tempo de imprimir o nariz e a boca sobre o prateado oval mate da respiração que se apressa a desaparecer: o nariz fica como um pequeno focinho, e a boca absolutamente inchada, como se uma abelha a tivesse picado por todos os lados!, cheia de profundas estrias longitudinais, como uma flor, e duas vezes mais curta que na realidade, e duas vezes mais larga, desaparece imediatamente, fundindo-se com a negrura do piano, como se o piano tivesse devorado a minha boca. 

E em certas ocasiões eu, por falta de tempo, tendo lançado um rápido olhar a todas as saídas da sala: até ao vestíbulo - um, para a sala de jantar - dois, para o salão - três, para o mezanino - quatro, por todas ao mesmo tempo, podia entrar a minha mãe, limitava-me a beijar o piano para sentir o seu frio sobre os lábios. 

Não, não é possível mergulhar duas vezes no mesmo rio. E assim, do mais escuro fundo, vem até mim a cara redonda e perscrutadora de uma menina de cinco anos, sem sorriso algum, rosada ainda através da negrura, como um negro que mergulhou na aurora, ou uma rosa num tanque de tinta. O piano foi o meu primeiro espelho, e a primeira tomada de consciência do meu próprio rosto foi através da negrura, com a sua tradução para a negrura, como para uma língua obscura, mas compreensível.


Marina Tsvetaeva, O Diabo

 


loop mensal


Cuando quieras baja a verme
Ya verás la que te espera
Con culebras y serpientes
Vo' a meterte en la nevera

En las noches claras,

resuelvo el problema de la soledad del ser.

Invito a la luna y con mi sombra somos tres.


Gloria Fuentes

en mi cara

En mi cara redondita

tengo ojos y nariz,
y también una boquita

para hablar y para reír.

Con mis ojos veo todo,
con la nariz hago achís,
con mi boca como como
palomitas de maíz


Gloria Fuentes
© Pegge Hopper

el viaje definitivo

Y yo me iré. Y se quedarán los pájaros
cantando.
Y se quedará mi huerto con su verde árbol,
y con su pozo blanco.

Todas las tardes el cielo será azul y plácido,
y tocarán, como esta tarde están tocando,
las campanas del campanario.

Se morirán aquellos que me amaron
y el pueblo se hará nuevo cada año;
y lejos del bullicio distinto, sordo, raro
del domingo cerrado,
del coche de las cinco, de las siestas del baño,
en el rincón secreto de mi huerto florido y encalado,
mi espíritu de hoy errará, nostálgico…

Y yo me iré, y seré otro, sin hogar, sin árbol
verde, sin pozo blanco,
sin cielo azul y plácido…
Y se quedarán los pájaros cantando.


Juan Ramón Jiménez

loop semanal

when I was a little girl

When I was a girl, my life was music that was always getting louder. Everything moved me. A dog following a stranger. That made me feel so much. A calendar that showed the wrong month. I could have cried over it. I did. Where the smoke from a chimney ended. How an overturned bottle rested at the edge of a table.
I spent my life learning to feel less.
Every day I felt less.
Is that growing old? Or is it something worse?


Jonathan Safran Foer

 

© Charlie Engman

de nada adianta imaginar

Provavelmente noutro tempo, noutras circunstâncias
chegaríamos a iguais resultados

pelo que de nada adianta imaginar um almagesto
ou tabelas de paralaxe para isto
a que convencionalmente chamamos amor,
nem calcular o ângulo
entre nós e o centro da terra,
de nada nos aproveitara, tu e eu
centros escorraçados de irregular gravitação.

Porém, isso não me impediu de ver plêiades
cada vez que surgias (só
não te dizia nada) plêiades iluminando
meu Hades
com suas cabrinhas coruscantes
pascendo
o vale da sombra da morte.

E a questão hoje é: who’s gonna drive you home tonight?
quando o melancólico transístor
destila também outras perguntas, mas nenhuma
tão dura quanto essa,
por exemplo: porque é que a água tem mais tendência
a subir em tubos estreitos
ao contrário do mercúrio?
Isto é view-master e são coisas que faço
na tua ausência.


Daniel Jonas

esgotados os recursos

Levo já quase mil noites com fábulas
e a cabeça dói-me e tenho seca
a língua e esgotados os recursos,
a imaginação. E nem sequer
sei se me salvarei com as mentiras.


Amalia Bautista, Trípticos Espanhóis vol. III, trad. joaquim manuel magalhães

se eu fosse um vídeo

inventory

Four be the things I am wiser to know:
Idleness, sorrow, a friend, and a foe.

Four be the things I’d been better without:
Love, curiosity, freckles, and doubt.

Three be the things I shall never attain:
Envy, content, and sufficient champagne.

Three be the things I shall have till I die:
Laughter and hope and a sock in the eye.


Dorothy Parker

poemário daqui

A. M. Pires Cabral Abel Neves Adília Lopes Adolfo Casais Monteiro Agustina Bessa-Luís Al Berto Albano Martins Alberto Pimenta Alexandra Malheiro Alexandre Nave Alexandre O'Neill Alice Turvo Alice Vieira Almada Negreiros Américo António Lindeza Diogo Ana Bessa Carvalho Ana C. Ana Caeiro Ana Cristina César Ana Duarte Ana Hatherly Ana Luísa Amaral Ana Marques Gastão Ana Martins Marques Ana Paula Inácio Ana Salomé Ana Tecedeiro Ana Teresa Pereira Ana Tinoco André Tomé Andreia C. Faria Angélica Freitas Ângelo de Lima Aníbal Fernandes António Amaral Tavares António Botto António Dacosta António Franco Alexandre António Gancho António Gedeão António Gregório António José Forte António Manuel Pires Cabral António Maria Lisboa António Mega Ferreira António Osório António Pedro António Quadros Ferro António Ramos Pereira António Ramos Rosa António Rebordão Navarro António Reis António S. Ribeiro Armando Baptista-Bastos Armando Silva Carvalho Artur do Cruzeiro Seixas Bénédicte Houart Bruno Béu Bruno Sousa Villar Camilo Castelo Branco Camilo Pessanha Carlos Alberto Machado Carlos Bessa Carlos de Oliveira Carlos Eurico da Costa Carlos Mota de Oliveira Carlos Poças Falcão Carlos Soares Casimiro de Brito Catarina Nunes de Almeida Cesário Verde Cláudia R. Sampaio Cruzeiro Seixas Daniel Faria Daniel Filipe David Mourão-Ferreira David Teles Pereira Delfim Lopes Dulce Maria Cardoso Eastwood da Silva Eduarda Chiote Egito Gonçalves Ernesto Sampaio Eugénio de Andrade Eugénio Lisboa Fernando Assis Pacheco Fernando Esteves Pinto Fernando Lemos Fernando Pessoa Fernando Pinto do Amaral Fiama Hasse Pais Brandão Filipa Leal Filipe Homem Fonseca Florbela Espanca Frederico Pedreira gil t. sousa Golgona Anghel Gonçalo M. Tavares Helder Moura Pereira Helena Carvalho Helga Moreira Hélia Correia Henrique Manuel Bento Fialho Henrique Risques Pereira Herberto Hélder Inês Dias Inês Fonseca Santos Inês Lourenço Isabel Meyrelles Joana Morais Varela Joana Serrado João Almeida João Bénard da Costa João Cabral de Melo Neto João Camilo João Damasceno João Ferreira Oliveira João Habitualmente João Luís Barreto Guimarães João Maia João Manuel Ribeiro João Miguel Henriques João Pacheco João Pereira Coutinho João Rodrigues João Vasco Coelho Joaquim Manuel Magalhães Joaquim Pessoa Jorge Carrera Andrade Jorge de Sena Jorge Gomes Miranda Jorge Melícias Jorge Roque Jorge Sousa Braga José Agostinho Baptista José Alberto Oliveira José Amaro Dionísio José António Franco José Cardoso Pires José Carlos Barros José Carlos Soares José Efe José Gomes Ferreira José Manuel de Vasconcelos José Mário Silva José Miguel Silva José Pascoal José Ricardo Nunes José Rui Teixeira José Saramago José Sebag José Tolentino Mendonça Judith Teixeira Leitão de Barros Leonor Castro Nunes Luís Miguel Nava Luís Quintais Luiza Neto Jorge Madalena de Castro Campos Mafalda Gomes Manuel A. Domingos Manuel António Pina Manuel Cintra Manuel da Silva Ramos Manuel de Castro Manuel de Freitas Manuel Fúria Manuel Gusmão Marcelino Vespeira Margarida Vale de Gato Maria Ângela Alvim Maria Azenha Maria do Rosário Pedreira Maria Gabriela Llansol Maria João Lopes Fernandes Maria Judite de Carvalho Maria Keil Maria Mergulhão Maria Sousa Maria Teresa Horta Maria Velho da Costa Mário Cesariny Mário Contumélias Mário de Sá-Carneiro Mário Dionísio Mário Quintana Mário Rui de Oliveira Mário-Henrique Leiria Marta Chaves Matilde Campilho Mendes de Carvalho Miguel Cardoso Miguel Martins Miguel Sousa Tavares Miguel Torga Miguel-Manso Nuno Araújo Nuno Bragança Nuno Júdice Nuno Moura Nuno Ramos Nuno Travanca Patrícia Baltazar Paulo José Miranda Pedro Jordão Pedro Loureiro Pedro Mexia Pedro Oom Pedro Santo Tirso Pedro Sena-Lino Pedro Tamen Pedro Tiago Piedade Araujo Sol Raquel Nobre Guerra Raquel Serejo Martins Raul de Carvalho Raul Malaquias Marques Regina Guimarães Reinaldo Ferreira Renata Correia Botelho Ricardo Adolfo Rosa Alice Branco Rosa Maria Martelo Rui Almeida Rui Baião Rui Caeiro Rui Cóias Rui Costa Rui Knopfli Rui Lage Rui Manuel Amaral Rui Nunes Rui Pedro Gonçalves Rui Pires Cabral Rute Mota Ruy Belo Ruy Cinatti Ruy Ventura Samuel Úria Sandra Andrade Sandra Costa Sebastião Alba Sílvio Mendes Soares de Passos Sofia Crespo Sofia Leal Sophia de Mello Breyner Andresen Tatiana Faia Teixeira de Pascoaes Teresa Balté Teresa M. G. Jardim Tiago Araújo Tiago Gomes valter hugo mãe Vasco Gato Vasco Graça Moura Vítor Nogueira Yvette K. Centeno

poemário dali

A. E. Housman Abbas Kiarostami Abel Feu Adelaide Ivánova Adélia Prado Adrienne Rich Agota Kristof Al Purdy Alberto Tugues Alda Merini Aldous Huxley Alejandra Pizarnik Alejandro Jodorowsky Alexander Demidov Alfredo Veiravé Alice Walker Allen Ginsberg Amalia Bautista Amiri Baraka Amy Lowell Amy M. Homes Ana Merino André Breton Andrés Trapiello Angela Carter Anis Mojgani Anna Akhmatova Anna Kamienska Anne Carson Anne Perrier Anne Sexton Antonia Pozzi Antonin Artaud Antonio Gamoneda Antonio Orihuela Antonio Pérez Morte Antonio Sáez Delgado Arnold Lobel Arseny Tarkovsky Arthur Rimbaud Basilio Sánchez Benjamín Prado Bernard-Marie Koltès Billy Collins Boris Vian Brett Elizabeth Jenkins Brian Andreas Brian Patten Carl Phillips Carl Sandburg Carlos Drummond de Andrade Carlos Edmundo de Ory Carlos Marzal Carmen Gloria Berríos Carol Ann Duffy Cecília Meireles Cesare Pavese Charles Baudelaire Charles Bukowski Charles Dana Gibson Charles M. Schulz Chen Bolan Christoph Wilhelm Aigner Clarice Lispector Constantino Cavafy Corey Zeller Countee Cullen Cristopher Painter Cristovam Pavia Czesław Miłosz Damien Sevhac Daniel Clowes Daniel Francoy Daniel Pennac Daphne Gottlieb David Bowie David Lagmanovich David Lehman Delia Brown Delmore Schwarts Derek Walcott Derrick Brown Diamanda Galás Diane Ackerman Djuna Barnes Don Herold Dorianne Laux Dorothea Lasky Dorothy Parker Douglas Huebler Dylan Thomas E. E. Cummings E. Ethelbert Miller E. M. Cioran Edgar Allan Poe Edna O'Brien Eduarda Chiote Eduardo Bechara Eeva-Liisa Manner Egito Gonçalves Eleanor Farjeon Elías Moro Elie Wiesel Elis Regina Elizabeth Bishop Elizabeth Ross Taylor Else Lasker-Schuler Elsie Wood Emily Dickinson Emily Kagan Trenchard Erin Dorsey Eunice de Souza Fabiano Calixto Federico Díaz-Granados Federico García Lorca Félix Grande Fernando Arrabal Fernando Caio de Abreu Fernando Echevarría Fernando Gandra Ferreira Gular Forough Farrokhzad Francisco Madariaga Frank O'Hara Frederico Pedreira G. K. Chesterton Gabriel Celaya Geir Gulliksen Georges Bataille Gerrit Komrij Giánnis Ritsos Giovanny Gómez Glória Gervitz Gottfried Benn Guillaume Apollinaire Günter Kunert Gustavo Adolfo Bécquer Gustavo Ortiz H. P. Lovecraft Hal Sirowitz Hans-Ulrich Treichel Harold Pinter Harvey Shapiro Heiner Müller Heinrich Heine Helen Mort Henri Béhar Henri Michaux Henry Rollins Hermann Hesse Hilda Hilst Hilde Domin Hoa Nguyen Hugh Mackay Hugo von Hofmannsthal Hugo Williams Ingeborg Bachmann Ingmar Heytze Isabel Meyrelles Isabelle McNeill J. M. Fonollosa J. R. R. Tolkien Jack Gilbert Jack Kerouac Jack Winter Jacques Lacan Jacques Prévert James L. White James Rogers James Tate Jane Hirshfield Janet Frame Jean Baudrillard Jean Day Jeanette Winterson Jenny Joseph Jenny Schecter Jesús Llorente Jim Carroll Joan Julier Buck Joan Margarit Jodi Picoult Johann Wolfgang Goethe Johannes Bobrowski John Ashbery John Giorno John Keats John Mateer John Updike Jonathan Littell Jonathan Safran Foer Jonathan Swift Jorge Amado Jorge Luis Borges José Eduardo Agualusa José Gardeazabal José Mateos Joseph Brodsky Joseph Cervavolo József Attila Juan José Millás Juan Ramón Jiménez Judith Herzberg Junko Takahashi Justine Hermitage Katerina Angheláki-Rooke Kathy Acker Kendra Grant Kenneth Patchen Kenneth Traynor Kosntandinos Kavafis Kristina H. Langston Hughes Larissa Szporluk Lauren Mendinueta Laurie Anderson Lawrence Ferlinghetti Lêdo Ivo Leila Miccolis Leonard Cohen Leonardo Chioda Leonardo Da Vinci Leopoldo María Panero Lewis Carroll liam ryan Lígia Reyes Lord Byron Lou Andreas-Salomé Lou Reed Louis Aragon Louis Buisseret Lourdes Espínola Lucía Estrada Luis Alberto de Cuenca Luís Filipe Parrado Luis García Montero Malcolm Lowry Manoel de Barros Manuel Arana Marco Mackaaij Margaret Atwood María Sánchez Marianne Boruch Mariano Peyrou Marin Sorescu Marina Colasanti Martha Carolina Dávila Martin Amis Mary Elizabeth Frye Mary Jo Salter Mary Oliver Mary Ruefle Max Porter Medlar Lucan & Durian Gray Melissa Witcombe Mia Couto Michael Drayton Michel Carpassou Michel Houellebecq Miguel de Cervantes Miriam Reyes Mitch Albom Morgan Parker Muhammad al-Maghut Muriel Rukeyser Natsume Soseki Neil Gaiman Nicanor Parra Nichita Stanescu Nicole Blackman Nina Rizzi Octavio Paz Olga Orozco Omar Khayyam Osho Otávio Campos Pablo Fidalgo Lareo Pablo García Casado Pablo Neruda Pat Boran Patricia Beer Patti Smith Paul Éluard Paul Géraldy Paul Theroux Paulo Leminski Pentti Saaritsa Per Aage Brandt Pere Gimferrer Philip Larkin Philip Roth Philippe Wollney Pia Tafdrup Pier Paolo Pasolini Pierre Reverdy Piotr Sommer Rafael Alberti Rainer Maria Rilke Ramón Gómez de la Serna Raúl Gustavo Aguirre Raymond Carver Raymond Queneau Reinaldo Ferreira Reiner Kunze Richard Brautigan Richard Burton Roald Dahl Robert Creeley Robert Frost Roberto Bolaño Roberto Fernández Retamar Roberto Juarroz Robin Robertson Rod McKuen Roger Wolfe Ron Padgett Rosa Aliaga Ibañez Rosemarie Urquico Rubens Borba de Moraes Rudyard Kipling Russell Edson Ruth Stone Ryan Montanti Saiónji Sanekane Salman Rushdie Salvador Novo Sam Shepard Samuel Beckett Sandro Penna Santiago Nazarian Sei Shonagon Serge Gainsbourg Sharon Olds Shel Silverstein Silvia Chueire Silvia Ugidos Simone de Beauvoir Somerset Maugham Stephen Crane Stephen Wright Steve Mccaffery Stevie Smith Stuart Dischell Sue Goyette Susana Cabuchi Sylvia Plath T. S. Eliot Tai Fu Ku Tanya Davis Tati Bernard Tatianna Rei Moonshadow Tennessee Williams Thom Gunn Tiago Fabris Rendelli Tilly Strauss Tom Baker Tom Waits Toni Montesinos Gilbert Ulla Hahn Valentine de Saint-Point Vicente Aleixandre Victor Heringer Victor Prado Vincenzo Cardarelli Vinicius de Moraes Vladimir Maiakovski Vladimir Nabokov W. H. Auden Walt Whitman Warsan Shire William Blake William Butler Yeats William Carlos Williams William Shakespeare Winnie Meisler Winona Baker Wislawa Szymborska Yehuda Amichai Yohji Yamamoto Yoko Ono Yorgos Seferis Zee Avi

livraria

. A Sul de Nenhum Norte . . Granta . Adolfo Bioy Casares . Al Berto . Alexandre O'Neill . Algernon Blackwood . Ali Smith . Alice Munro . Alice Turvo . Almanaque do Dr. Thackery . Anaïs Nin . Anita Brookner . Ann Beattie . Annemarie Schwarzenbach . Anton Tchekhov . António Ferra . António Lobo Antunes . Arthur Miller . Boris Vian . Bret Easton Ellis . Carlos de Oliveira . Carson McCullers . Charles Bukowski . Chuck Palahniuk . Clarice Lispector . Conde de Lautréamont . Cormac McCarthy . Cristiane Lisbôa . Donald Barthelme . Doris Lessing . Dulce Maria Cardoso . Edith Wharton . Eileen Chang . Elena Ferrante . Enrique Vila-Matas . Erasmo de Roterdão . Ernest Hemingway . Ernesto Sampaio . F. Scott Fitzgerald . Fernando Pessoa . Flannery O'Connor . Florbela Espanca . Françoise Sagan . Franz Kafka . Frida Kahlo . Gabriel García Márquez . Gonçalo M. Tavares . Graça Pina de Morais . Gustave Flaubert . Guy de Maupassant . Harold Pinter . Haruki Murakami . Henri Michaux . Herberto Hélder . Hunter S. Thompson . Irene Lisboa . Irène Némirovsky . Italo Calvino . J. D. Salinger . Jack Kerouac . James Joyce . Jean Cocteau . Jean Genet . Jean Meckert . Jean-Paul Sartre . Jeffrey Eugenides . Jim Cartwright . Joan Didion . John Cheever . José Jorge Letria . José Saramago . Josep Pla . Julian Barnes . Julio Cortázar . Karen Blixen . Kate Chopin . Katherine Mansfield . Kurt Vonnegut . Lázaro Covadlo . Lillian Hellman . Luís de Sttau Monteiro . Luís Miguel Nava . Luiz Pacheco . Lydia Davis . Lygia Fagundes Telles . Malcolm Lowry . Manuel Hermínio Monteiro . Manuel Jorge Marmelo . Marcel Proust . Margaret Atwood . Marguerite Duras . Marguerite Yourcenar . Marina Tsvetáeva . Mário C. Brum . Mário-Henrique Leiria . Mark Lindquist . Marquis de Sade . Max Aub . Miguel Castro Henriques . Miguel Esteves Cardoso . Miguel Martins . Milan Kundera . Natalia Ginzburg . Neil Gaiman . Nick Cave . Norman Rush . Orhan Pamuk . Oscar Wilde . Paul Auster . Paulo Rodrigues Ferreira . Pedro Mexia . Penelope Fitzgerald . Pierre Louÿs . Rainer Maria Rilke . Rainer Werner Fassbinder . Raul Brandão . Ray Bradbury . Rebecca West . Regina Guimarães . Richard Yates . Roland Barthes . Roland Topor . Rolf Dieter Brinkmann . Rui Nunes . S. E. Hinton . Sam Shepard . Samuel Beckett . Sarah Kane . Sebastian Barry . Shirley Jackson . Stig Dagerman . Susan Sontag . Susana Moreira Marques . Sylvia Plath . Tennessee Williams . Teresa Veiga . Tom Baker . Truman Capote . valter hugo mãe . Vasco Gato . Vera Lagoa . Vergílio Ferreira . Virginia Woolf . Vladimir Nabokov . William Faulkner . Woody Allen . Yasunari Kawabata . Yukio Mishima .
page visitor counter

mariaravascosoares@gmail.com
ocinemadaoqueavidatira.tumblr.com